A Intermediação de Maria Mãe dos Homens
para nos levar ao Cordeiro de Deus

'O ROSÁRIO É A VIDA DE CRISTO CONTEMPLADA COM O OLHAR DE MARIA'
"
Maria é aquela que nos acompanha na escuridão da noite até o clarear do novo dia”

O Primeiro - o número 1  na Internet.- clique aqui
                                                   Criado em 30 de março de 2005

 

Não confundir o site do Terço dos Homens : www.tercodoshomens.com.br
com o
www.tercodoshomens.org.br que é o mesmo 
www.tercodoshomensmaerainha.org.br

Este site apresenta, com exclusividade, o Terço dos Homens rezado nas suas origens pelo primeiro tesoureiro,  
um dos fundadores do grupo. Sr. Manoel Pedral, falecido à mais de 40 anos -
ouçam


82 ANOS DE GRAÇAS E BÊNÇÃOS no Brasil e no mundo

Reflexões do Pe. Eduardo Catalfo - Reitor do Santuário Nacional de Aparecida
Terço dos Homens Movimento Mariano Missionários - 2019

PÁGINA INICIAL

 A COROAÇÃO DA SANTÍSSIMA VIRGEM

Na oração do Terço, os mistérios gloriosos nos fazem refletir sobre as muitas alegrias que estão associadas à Ressurreição de Jesus. Todos os mistérios da glória derivam da verdade mais fundamental da fé cristã: Deus ressuscitou Jesus dos mortos (cf. At. 2, 24). Na origem do Cristianismo, a ressurreição do Crucificado é o evento decisivo. Não é exagero dizer que os mistérios gloriosos são, por excelência, os mistérios que melhor definem o tempo litúrgico da Páscoa. Vivemos o tempo da alegria proporcionada pela Ressurreição do Senhor. Para os cristãos este é o tempo da esperança e da certeza de que somos de Deus e a Ele pertencemos. Os mistérios da glória descrevem cinco eventos muito significativos para a fé cristã e para a piedade popular: 1) A Ressurreição do Senhor; 2) A Ascensão do Senhor; 3) A Vinda do Espírito Santo; 4) A Assunção de Nossa Senhora aos Céus; e finalmente 5) A Coroação da Santíssima Virgem.

A CORAÇÃO DE NOSSA SENHORA

O mês de maio é o mês de Maria, que sempre está muito presente nas orações do Terço. Num gesto simples de piedade popular e de muito amor a Maria, diversas paróquias e comunidades no Brasil fazem a celebração da “Coroação de Nossa Senhora”. Coroar Maria é participar da realeza divina. Afinal, o Reino de Deus já está entre nós, conforme ensina o próprio Jesus (cf. Lc. 17, 21). Ao recordar a Coroação da Santíssima Virgem, o quinto mistério glorioso nos faz pensar no laço estreito e forte que há entre a devoção a Nossa Senhora e a fé em Jesus Cristo. O verdadeiro devoto de Maria sabe que é em Cristo que devemos buscar a razão de nossa Confiança. É nele que a redenção se faz generosamente abundante. Coroar Nossa Senhora significa reconhecer que ela é a Mãe de Deus. A beleza deste título que atribuímos a Maria está na certeza de fé que ela gerou e deu à luz o Filho bendito de Deus. Dizer que Maria é Mãe de Deus é reconhecer a divindade do Filho que ela gerou, conforme ensina a Tradição da Igreja (cf. Gl. 4, 4).

ACONTECIMENTOS ESPECIAIS

No segundo domingo de maio, celebramos com muito carinho o dia das Mães. Aparecida nas águas do Rio Paraíba do Sul, Nossa Senhora nos faz pensar que todas as mães são amadas e queridas por Deus. Durante todo o mês de maio, queremos rezar por todas as mães que, apesar das dificuldades, continuam sonhando o mesmo sonho de Deus. No último dia de maio, a liturgia da Igreja celebra a Visitação de Maria a Isabel e os 88 anos da Proclamação de Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil (31/05/1931). Reze conosco através da Rede Aparecida de Comunicação ou, melhor ainda, venha participar, aqui no Santuário Nacional, deste momento tão especial de oração e de bênçãos de Deus. Que a Virgem Negra de Aparecida, carinhosamente aclamada por nós como “Rainha e Padroeira do Brasil”, estenda sobre cada um de nós, especialmente sobre todos os Bispos do Brasil que se reuniram, no início de maio, em Aparecida, para a 57ª Assembleia Geral, o seu manto de ternura e de proteção.

JUBILEU DE PRATA DE ORDENAÇÃO EPISCOPAL

É com imensa alegria que celebramos o Jubileu de Prata de Ordenação Episcopal do nosso querido Arcebispo, Dom Orlando Brandes. Ele foi ordenado no dia 5 de junho de 1994, em Joinville-SC, onde iniciou o seu ministério episcopal. Agradecemos a Dom Orlando o carinho pelos Homens do Terço e convidamos você e sua família para participar conosco da Missa de ação de graças no dia 5 de junho, às 9h.
A PALAVRA QUE LIBERTA E SALVA

O mês de setembro traz consigo a alegria de acolher a Palavra de Deus. Palavra que liberta e salva. Palavra que transforma e que recria o ser humano. O mês da Bíblia renova em cada um de nós o verdadeiro sentido da Palavra de Deus: “toda a Escritura é inspirada por Deus, e é útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça” (2
a Tm. 3, 16)A tradição profética do Antigo Testamento conserva importantes e veneráveis ensinamentos divinos. No entanto, a Palavra definitiva de Deus é o próprio Jesus Cristo. A Carta aos Hebreus deixa isso bem claro: “muitas vezes e de muitos modos, Deus falou outrora aos nossos pais, pelos profetas. Nestes dias, que são os últimos, falou-nos por meio do Filho” (Hb. 1, 1-2). Jesus de Nazaré é o portador da Palavra decisiva de Deus. O Evangelho de João explica o porquê da centralidade de Jesus na comunicação divina: “no princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus. Ela existia, no princípio, junto de Deus. Tudo foi feito por meio dela, e sem ela nada foi feito de tudo o que existe. E a Palavra se fez carne e habitou entre nós” (Jo. 1, 1-3. 14).

Acolher a Palavra de Deus A primeira virtude de Maria, a mãe de Jesus, é a sua capacidade de acolher a Palavra de Deus: “eis aqui a serva do Senhor”! (Lc. 1, 38). A jovem de Nazaré permanece como um modelo para todos aqueles que, de fato, se dispõem ao acolhimento da Palavra divina. Vivemos num mundo das imagens, do barulho e da agitação da vida moderna. Para compreender a Palavra de Deus é preciso silêncio, atenção e, principalmente, muita confiança. Uma outra mulher chamada Maria, a irmã de Lázaro e de Marta, também é exemplo de alguém que sabe ouvir a Palavra: “Maria sentou-se aos pés do Senhor e escutava a sua palavra” (Lc. 10, 39). Jesus dirige aos seus ouvintes palavras que libertam e que salvam: palavras de vida. O Pregador de Nazaré fala de Deus e do amor incondicional que devemos ter pelo próximo, sobretudo pelos pobres. A Palavra de Deus tem o poder de transformar vidas. O Evangelho de Lucas relata a história dramática de uma mulher pecadora que, em silêncio, se põe a lavar os pés de Jesus na casa de Simão, o fariseu (Lc. 7, 36-50). O que parecia ser um escândalo tornou-se uma grande experiência de Deus na vida daquela mulher anônima, graças às palavras de Jesus: “teus pecados estão perdoados (...) Tua fé te salvou. Vai em paz”!

Escolhidos e enviados em missão! No próximo mês teremos a alegria de novamente celebrar a festa da Padroeira do Brasil. O tema da novena deste ano é muito sugestivo: “com Maria: escolhidos e enviados em Missão”! A primeira missão dos Homens do Terço é assumir o alegre desafio de ser sinal de Deus na própria família. No dia 8 de setembro comemoramos o 14º aniversário da TV Aparecida. Parabéns aos nossos queridos colaboradores que, através da televisão de Nossa Senhora, nos dão a oportunidade de levar o Santuário Nacional para todos os lares do Brasil. Nosso carinho especial aos Homens do Terço, que sempre rezam conosco e participam da alegria de sermos devotos de Nossa Senhora.
“COM MARIA: ESCOLHIDOS E ENVIADOS EM MISSÃO”!

Outubro traz consigo a indescritível alegria de celebrar a grandiosa festa de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Nosso coração deixa-se renovar pela devoção à nossa Rainha e Padroeira. As palavras de Maria ressoam em nossos ouvidos como a melhor orientação para quem quer seguir Jesus: “fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo. 2, 5b). A devoção a Nossa Senhora fortalece no nosso coração o desejo sincero de amar a Deus e ao próximo. Neste mês vamos ser tocados pelo espírito missionário, pois a Virgem Santíssima nos ensina a sair de nós mesmos, como ela própria saiu de sua casa e rompeu distâncias, até chegar na casa de sua prima Isabel para servi-la com amor e simplicidade (Lc. 1, 39-56).

Renovar o Espírito Missionário O tema da novena – “Com Maria: escolhidos e enviados em Missão”! – quer responder ao espírito missionário que o Papa Francisco aponta-nos, orientando que o mês de outubro seja um “Mês Missionário especial”. Quer também recordar nossa missão batismal e o mandato de Jesus: “ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa-Nova a toda criatura” (Mc. 16, 15). Também, neste ano, realiza-se o “Sínodo para a Amazônia”, com o tema: “Amazônia – novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. A Igreja de Cristo vive tempos de riqueza missionária e de testemunho de vida cristã! É hora de anunciar o Evangelho da Salvação com alegria e com confiança. É com este espírito de unidade e de missionariedade que convidamos os Homens do Terço para este tempo especial de festa e de oração. Queremos que a festa de Nossa Senhora Aparecida seja um grande convite para renovar o seu espírito missionário. Nosso desejo é despertar em cada um de nós, em nossas comunidades e na Igreja latino-americana, a partir da Amazônia, o verdadeiro espírito missionário.

Somos Missionários da Confiança! O Apóstolo Paulo, grande missionário da Igreja primitiva, com firmeza e entusiasmo recorda que pertence a todos nós a sublime missão de evangelizar: “anunciar o evangelho não é para mim motivo de glória. É antes uma necessidade que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o evangelho”! (1
a Cor. 9, 16). Os Redentoristas do Brasil comemoram, neste mês de outubro, 125 anos de presença missionária em Aparecida: a Virgem Negra sempre nos acompanha em Missão! Somos gratos a Maria que sempre nos amparou com ternura maternal. Maria, a Mãe de Deus, nos ensina que a primeira e a mais importante tarefa do verdadeiro missionário é acolher a Palavra de Deus. A Virgem Santíssima nos ensina a seguir Jesus com a confiança e com a alegria de quem encontrou um grande tesouro: o Reino de Deus é a nossa riqueza de valor inestimável e, por isso, somos hoje e sempre Homens do Terço e missionários da confiança.
A Casa da Mãe é um pedacinho do Céu.

Frequentemente dizemos, sempre com muito carinho, que o Santuário Nacional de Aparecida é a “Casa da Mãe”. E gostamos de falar assim porque a casa da nossa mãe é também a nossa própria casa, mesmo quando deixamos de morar com os nossos pais para construirmos a nossa casa. Fazemos questão de acolher bem a todos, especialmente você que faz parte do Terço dos Homens. Nosso maior desejo é fazer deste lugar um pedacinho do Céu, lugar de oração, de encontro e de experiência com Deus. O melhor lugar do mundo é sempre a nossa própria casa, o nosso lar! Por isso nos empenhamos em fazer do Santuário Nacional a sua casa: “Casa da Mãe”, Morada de Deus, Casa de irmãos.

Maria nos incentiva a cuidar da nossa família

“Deus é Amor”! Assim nos ensina a primeira carta de São João (1 Jo 4, 8). Quem ama cuida, quem ama protege, quem ama participa! Nós amamos Nossa Senhora, a Mãe de Deus. Nosso amor é filial; nosso amor é eterno. Por isso assumimos com alegria a vocação de cuidar bem da nossa família. A fé cristã nos ensina que Maria gerou e deu à luz o Filho amado de Deus. Nossa Senhora é a portadora de Deus. É ela que traz o Céu bem pertinho de nós. Pelo mistério da Encarnação Maria fez da presença de Deus no mundo uma realidade. Céus e Terra contemplam o realismo de um Deus que se fez presença na história humana de uma vez por todas. Foi o “sim” generoso e decidido de Maria que trouxe ao mundo a presença amorosa e real do próprio Deus.

Na plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher”, como nos recorda o apóstolo Paulo (Gl. 4, 4).

O ventre de Maria foi para Jesus o melhor lugar de carinho e de aconchego.

Quando veio a este mundo, Deus quis para si o amor de uma Mãe.
O Sentido do Natal para os Padres da Igreja

Entre os primeiros pensadores do cristianismo, carinhosamente chamados Padres da Igreja, figuram homens que sempre destacaram a importância e o significado do Natal. Inácio de Antioquia defende apaixonadamente a verdadeira fé contra o docetismo, uma das mais antigas heresias que reduzia a existência humana de Jesus a uma simples aparência.

Irineu de Lião realça o lugar central que Cristo ocupa no plano divino; é dele a expressão verdadeiro Deus, verdadeiro homem. Sua obra “Contra as heresias” ensina o valor e a grandeza do mistério do Natal: “o Filho de Deus se fez homem para que o homem, misturando-se ao Verbo e recebendo a adoção filial, se torne filho de Deus [...] Com efeito, não podíamos receber a incorruptibilidade e a imortalidade, a não ser estando unidos à incorruptibilidade e à imortalidade”. Tertuliano exprime a unidade de Cristo na dualidade das naturezas: em Cristo coexistem duas naturezas unidas sem confusão. Como resposta aos hereges que não aceitavam “a ideia de um Deus coagulado no útero, parido entre dores, lavado e enfaixado”, Tertuliano responde que “Cristo amou o homem, e juntamente com o homem, amou o seu modo de vir ao mundo”.

Atanásio apresenta, no tratado sobre a encarnação, uma exposição orgânica da fé cristã, tendo como referência a manifestação do Verbo na carne. Esta obra, amplamente difundida na antiguidade cristã, tem como princípio o mistério do Verbo, que se revelou em um corpo para restituir ao homem a incorruptibilidade e o conhecimento de Deus. Para Atanásio, ao assumir a natureza humana: “o Verbo de Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus”.

Gregório Nazianzeno antecipa a fórmula conciliar de Calcedônia que estabelece a unidade das naturezas em Cristo, verdadeiro Deus, verdadeiro homem. A genialidade de Agostinho sublinha a humildade da condição humana que o Verbo assumiu. A memória de Cirilo de Alexandria está intimamente ligada à doutrina sobre a maternidade divina. O mistério do Verbo encarnado é o centro da doutrina e da espiritualidade do grande Orígenes.

A encarnação do Verbo de Deus no mundo dos pobres é o ponto de partida para a vida terrena de Jesus. Para a fé cristã poucas coisas são tão preciosas, pertinentes e relevantes na figura de Cristo como a inequívoca afirmação da sua carne. O nascimento de Jesus nos faz pensar que, a partir da sua encarnação real e concreta na história humana, podemos ter acesso ao conjunto do mistério de Cristo.

Feliz Natal!
HOMENS DO TERÇO: SOMOS O SANTUÁRIO DA PALAVRA

O Santuário Nacional de Aparecida quer ser o Santuário da Palavra por vários motivos. A razão mais importante está ligada a Nossa Senhora: Maria é a Mulher da Palavra. Ao dizer sim a Deus, Maria de Nazaré assume com alegria e com coragem a missão de “Revestir-se da Palavra”. Por obra e graça do Espírito Santo, Maria gerou e deu à luz o Filho de Deus. Ela foi revestida pela “sombra do Altíssimo”. O Verbo de Deus se fez homem na carne da Virgem (cf. Lc. 1, 35).

Olhando para a pequena e tão querida Imagem da Virgem de Aparecida, não poucas vezes somos levados a pensar nas infinitas graças que Deus realizou na vida daquela mulher. Assim como Maria é a Mulher da Palavra, também nós queremos que a Palavra de Deus possa revestir com a luz divina toda a família dos Homens do Terço. No nosso coração há uma certeza: somos de Deus e a Ele pertencemos! Revestir-se da Palavra é um projeto de vida para todos os devotos de Nossa Senhora.

Construir o Santuário da Palavra significa abrir para Deus o coração, num processo contínuo e progressivo de conversão e de transformação. A Palavra de Deus gera vida, confiança e renovação. Nosso maior desejo não é outro senão a alegria de crescer no conhecimento, na experiência e no testemunho da Palavra de Deus. À semelhança de Timóteo, somos especialmente orientados para compreender a importância da Palavra de Deus: “toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça” (2
a Tm. 3, 16).

O profeta Isaías lembra que “como a chuva e a neve que caem do céu para lá não voltam sem antes molhar a terra e fazê-la germinar e brotar, a fim de produzir semente para quem planta e alimento para quem come, assim também acontece com a minha palavra: ela sai da minha boca e para mim não volta sem produzir seu resultado, sem fazer aquilo que planejei, sem cumprir com sucesso a sua missão” (Is. 55, 10-11).

 O Terço (Rosário) dos Homens não exige nada e não cobra nada da vida pessoal dos seus participantes, o que faz com que seus membros se sintam livres, e a liberdade dá ao homem o poder de ser aquilo que ele deseja ser, daí as transformações se sucederem de modo espontâneo causado pelo contato que os mesmos passam a ter com Deus por intercessão de Maria.