A Intermediação de Maria Mãe dos Homens
para nos levar ao Cordeiro de Deus

'O ROSÁRIO É A VIDA DE CRISTO CONTEMPLADA COM O OLHAR DE MARIA'
"
Maria é aquela que nos acompanha na escuridão da noite até o clarear do novo dia”

  O Primeiro - o número 1  na Internet.- clique aqui
 Criado em 30 de março de 2005

Não confundir o site do Terço dos Homens : www.tercodoshomens.com.br
com o
www.tercodoshomens.org.br que é o mesmo 
www.tercodoshomensmaerainha.org.br

Este site apresenta, com exclusividade, o Terço dos Homens rezado nas suas origens pelo primeiro tesoureiro,  
um dos fundadores do grupo. Sr. Manoel Pedral, falecido à mais de 40 anos -
ouçam


81 ANOS DE GRAÇAS E BÊNÇÃOS no Brasil e no mundo

A Vinha do Senhor...

PÁGINA INICIAL

Pe. Geraldo Della Costa
08.10.17

A Liturgia continua a imagem da Vinha, que representa Israel, o povo eleito, precursor da Igreja, o novo Povo de Deus que deve produzir frutos para Deus.

Na 1ª Leitura, Isaías, com o "Cântico da Vinha", narra a História do amor de Deus e a infidelidade do seu Povo. (Is. 5, 1-7)

É um lindo poema composto pelo profeta, talvez a partir de uma canção de vindima.
Através do profeta (o trovador), Deus (o Amigo) julga seu povo (a vinha), descrevendo o amor de Deus e a resposta do Povo.

- Um agricultor escolheu o terreno mais adequado, escolheu cepas da melhor qualidade, tomou todos os cuidados necessários.
- O sonho dele era a colheita dos Frutos do seu trabalho...
- Mas a decepção foi grande: só deu uvas azedas... "Que mais poderia eu ter feito por minha vinha e não fiz"?
- Reação: seu amor se transforma em ódio: derruba o muro de proteção, permite que os transeuntes a pisem livremente e que o inço tome conta...

* Os Frutos, que o Senhor esperava, eram "o direito e a justiça", respeito pelos Mandamentos e fidelidade à Aliança.

Ao invés, viu "sangue derramado" e "gritos de horror": infidelidade, injustiça, corrupção, violência...
Muitas manifestações religiosas solenes, sem uma verdadeira adesão a Deus.
Daí o castigo de Deus: a invasão dos assírios e depois dos babilônios, que destruíram a vinha e deportaram os israelitas como escravos.

* Hoje há ainda "sangue derramado" e "Gritos de horror"?

Na 2ª Leitura, Paulo fala dos frutos que Deus espera da sua "Vinha". (Fl. 4, 6-9)
Apresenta aos cristãos de Filipos algumas obrigações que resultam do seu compromisso com Cristo e com o Evangelho.
Recomenda seis “qualidades” que eles devem cultivar com alegria: a verdade, a justiça, a honradez, a amabilidade, a tolerância, a integridade…

No Evangelho, Jesus retoma e desenvolve o poema da Vinha. (Mt. 21, 33-43)

- Um Senhor planta uma vinha com todo o cuidado e tecnologia necessária e a confia a uns vinhateiros, conhecedores da profissão.
- Chega o tempo da vindima, manda mensageiros para buscar a colheita. E vem a surpresa. Não entregam os frutos e maltratam os enviados... não respeitam nem o próprio filho do dono. Chegam a matá-lo.
- A "Vinha" não será destruída, mas os trabalhadores serão substituídos...

* A parábola é uma releitura da História da Salvação: ilustra a recusa de Israel ao projeto de salvação de Deus.
 
- A Vinha é o Povo de Deus (Israel).
- O Dono é Deus, que manifestou muito amor pela sua vinha.
- Os vinhateiros são os líderes do povo judeu...
- Os enviados são os profetas... o próprio Cristo "morto fora da vinha".

- Resultado: a "vinha" será retirada e confiada a outros trabalhadores, que ofereçam ao "Senhor" os frutos devidos e acolham o "Filho" enviado.
- Reação do Povo: tentam prender Jesus, pois percebem que a Parábola se refere a eles...

+ Quem são esses "outros", aos quais é entregue a Vinha?
 
Somos todos nós, membros do novo Povo de Deus, a Igreja, que tem a missão de produzir seus frutos, para não frustrar as esperanças do Senhor na hora da colheita.

- Que tipo de frutos está faltando?

Os homens do tempo de Isaías e também de Jesus eram muito piedosos, zelosos nas práticas religiosas, no respeito do sábado...
Mas não foi da falta disso que Deus se queixou...

- Isaías resume a queixa de Deus nas palavras do dono da vinha: "esperei deles justiça, e houve sangue derramado; esperei retidão de conduta e o que ouço são os gritos de socorro de gente que foi explorada e maltratada..."

* Será que isso acontecia só no passado? E hoje?

Não há grupos religiosos, aparentemente vigorosos (árvores cheias de folhas), desprovidos de frutos (sem compromisso com a justiça, com a paz, a fraternidade)?
Não podemos reduzir tudo a apenas umas práticas religiosas?
 
- Quais são os frutos que produzimos hoje em nossas comunidades ?

Ainda hoje devemos testemunhar diante do mundo, em gestos de amor, de acolhimento, de compreensão, de misericórdia, de partilha, de serviço, a realidade do Reino, que Jesus veio propor.

+ Os guardas da vinha quiseram até se transformar em "Donos"...

* Esse perigo pode estar presente ainda hoje em nossas comunidades.

O que pensar a respeito dos responsáveis pelas nossas comunidade, que impõem em nome de Deus o que se passa na própria cabeça, não dão ouvidos a ninguém e não se preocupam em saber
qual é a vontade do único e legítimo senhor da Vinha?
Não somos "donos", mas apenas administradores...

+ Deus nunca desiste de sua obra de amor e salvação!

Uma Verdade consoladora, mas também um Alerta: diante do fracasso com alguns... Deus não desiste... mas Ele recomeça com outros...

- Será que Deus está satisfeito dos frutos que estamos produzindo?

 O Terço (Rosário) dos Homens não exige nada e não cobra nada da vida pessoal dos seus participantes, o que faz com que seus membros se sintam livres, e a liberdade dá ao homem o poder de ser aquilo que ele deseja ser, daí as transformações se sucederem de modo espontâneo causado pelo contato que os mesmos passam a ter com Deus por intercessão de Maria.